Como Construir a Autoconfiança: 6 Dicas Essenciais e Atemporais

“Nunca dobre sua cabeça. Sempre a mantenha erguida. Olhe o mundo diretamente na cara.”

Helen Keller

“O que quer que nós esperemos com confiança se torna a nossa própria profecia autorrealizável.”

Brian Tracy

“A confiança é a coragem à vontade.”

Daniel Maher

Acredito que um dos desejos mais comuns é simplesmente se sentir mais confiante em várias situações na vida.

Mas, como?

Amigos confiantes podem dizer: “Bom, apenas seja confiante, cara!” Porém, para uma pessoa que não sente essa confiança, esse tipo de conselho pode não ser muito útil. De forma alguma.

Porém, há alguns conselhos testados pelo tempo e atemporais. Nesse artigo, irei explorar algumas dessas dicas. Agora, espero que você encontre algo útil nesse artigo para ajudá-lo a melhorar e manter seus níveis de confiança.

  1. Tome uma atitude. Faça acontecer.

“Após ter decidido alcançar uma determinada tarefa, alcance-a a qualquer custo de tédio e desgosto. O ganho na autoconfiança de ter realizado um trabalho cansativo é imenso “.

Thomas A. Bennett

“Nada constrói a autoestima e a autoconfiança como a realização.”

Thomas Carlyle

“Raças ociosas têm dúvidas e medo. Raças ativas têm confiança e coragem. Se você quiser vencer o medo, não fique em casa e pense sobre isso. Saia e se ocupe.”

Dale Carnegie

 

O passo mais importante na construção da autoconfiança é simplesmente tomar atitudes. Trabalhar em algo e terminar. Ficar sentado em casa pensando sobre isso apenas fará você se sentir pior. Simples. Mas nem sempre fácil de fazer. Para deixar um pouco mais fácil, aqui estão três das minhas formas preferidas de deixar mais fácil tomar uma atitude:

  • Seja presente. Fazer isso vai ajudá-lo a parar de pensar demais e fazê-lo sair para fazer o que você quer que seja feito. Essa é provavelmente a melhor dica que eu encontrei até agora para tomar mais atitudes, visto que ela o coloca num estado onde você sente pouca resistência emocional para o trabalho que vai realizar. E isso o coloca no estado em que as ações corretas frequentemente só parecem fluir para fora de você de uma maneira concentrada, mas descontraídas, e sem muito esforço. Uma das maneiras mais simples de se conectar com o momento presente é apenas manter o foco em sua respiração por um minuto ou dois.

 

  • Iluminar-se. Uma maneira de se dissuadir a tomar medidas é pegar o que você está prestes a fazer muito a sério. O que o torna muito grande, muito difícil e muito assustador. Se, por outro lado, você relaxar um pouco e se iluminar, frequentemente vai perceber que esses problemas e sentimentos negativos são apenas algo que você está criando em sua própria mente. Com um estado de espírito mais leve, suas tarefas parecem mais leves e se tornam mais fáceis de começar. Dê uma olhada em “Ilumine-se” para ler mais sobre isso.

 

  • Queira de verdade. Em seguida, tomar atitudes não é algo que você tem precise forçar. Tomar ação torna-se uma coisa muito natural. É algo que você mal pode esperar para fazer.
  1. Encare seu medo.

“A maneira de desenvolver a autoconfiança é fazer a coisa que você teme.”

William Jennings Bryan

“Você ganha força, coragem e confiança por cada experiência em que você realmente parar para olhar o medo na cara. Você é capaz de dizer para si mesmo: ‘Eu vivi através desse horror. Eu posso aguentar a próxima coisa que vier junto.’ Você deve fazer a coisa que você acha que não pode fazer. “

Eleanor Roosevelt

 

Olha, eu poderia te dizer para fazer afirmações ou outros exercícios durante meses na frente do espelho. Isso pode ter um efeito positivo. Assim como se preparar, isso pode ajudá-lo a agir com mais confiança.

Mas, para ser franco, se você não ouvir as citações acima e enfrentar seus medos, você não vai sentir nenhuma autoconfiança em um nível mais profundo e mais fundamental. Ter experiências onde você enfrenta seu medo é o que realmente constrói a autoconfiança. Não há maneira de contornar isso.

No entanto, existem maneiras de enfrentar seus medos que não incluam tanta agitação. Há maneiras de tornar isso mais fácil para si mesmo.

  • Seja curioso. Quando você está preso no medo, você fica fechado. Você tende a criar uma divisão em seu mundo e na mente. Você cria barreiras entre você e outras coisas/pessoas. Quando você se torna curioso, suas percepções se elevam e o mundo se abre. A curiosidade é repleta de antecipação e entusiasmo. Ela a deixa mais aberto. E quando você está aberto e entusiasmado, então você tem coisas mais divertidas para pensar a respeito do que focar no seu medo. Como você se torna mais curioso? Uma forma é se lembrar de como a vida era mais divertida no passado graças à sua curiosidade e se lembrar de todas as coisas legais que ela o ajudou a descobrir e experienciar.
  • Entenda que o medo é frequentemente baseado em interpretações inúteis. Como humanos, nós gostamos de procurar por padrões. O problema é que nós frequentemente encontramos padrões negativos e pouco úteis em nossas vidas baseados apenas em uma ou duas experiências. Ou por situações que foram mal interpretadas. Ou através de falhas bobas na comunicação. Quando você se identifica demais com seus pensamentos, você acaba acreditando em qualquer coisa que ele disser. Uma prática ainda mais útil talvez seja não levar seus pensamentos tão a sério. Em muitas das vezes, eles e a sua memória são bastante imprecisos.
  1. Compreenda em qual ordem as coisas acontecem.

Um dos meus trechos preferidos de diálogo de filme é aquele de 1999, “Três Reis”.

Nessa cena, o Major Archie Gates (George Clooney) quer uma equipe pequena para salvar um soldado e roubar o ouro de Saddam logo depois da Guerra do Golf ter terminado.

O soldado mais novo, Conrad Vig (Spike Jonze) tem suas dúvidas sobre o plano:

Archie Gates: Você está assustado, certo?

Conrad Vig: Talvez.

Archie Gates: A forma como isso funciona é a seguinte: você faz a coisa que te assusta se cagando, e você consegue a coragem DEPOIS de fazer, não antes.

Conrad Vig: Essa é uma forma idiota de trabalhar. Deveria ser o contrário.

Archie Gates: Eu sei. É assim que funciona.

Ótimo filme. Ótimo pedaço de diálogo. Apesar de talvez não ser o que as pessoas queiram escutar.

O negócio é o seguinte: quando você faz as coisas, você não apenas constrói sua habilidade de lidar com situações diferentes. Você também experiencia uma progressiva dessensibilização. Isso significa que as situações — como, por exemplo, falar em público ou talvez apenas mostrar seu último post no blog para uma audiência — que o deixam trêmulo, passam a se tornar mais e mais normais em sua vida. Não é mais algo que você se obriga a fazer. Começa apenas a se tornar normal. Como amarrar os sapatos, sair com seus amigos ou tomar um banho.

Pode parecer assustador agora. Mas após fazer qualquer coisa que o assusta algumas dúzias de vezes, você pode pensar: “É isso?”. Você quase se sente decepcionado com o quão anticlimático se torna. Você pode até ficar um pouco irritado consigo mesmo e se perguntar por que evitou fazer isso por tanto tempo.

  1. Prepare-se.

“Uma chave importante para o sucesso é a autoconfiança. Uma chave importante para a autoconfiança é a preparação.”

Arthur Ashe

Quando você não sabe nada a respeito do que está prestes a fazer, é fácil se perder num medo vago e nebuloso e começar a construir cenários com grandes erros em sua mente do que pode acontecer se você tentar.

Preparar-se e se educar pode ser uma grande ajuda aqui. Ao, por exemplo, ensaiar e reescrever o seu discurso várias vezes você conseguirá decorá-lo. Ao fazer uma pesquisa, você encontrará técnicas de respiração que rapidamente podem ajudá-lo a se acalmar e se tornar presente. Ou simplesmente técnicas de visualização que fazem você se sentir mais confiante e positivo conforme você entra no palco.

Isso obviamente é mais trabalhoso do que não fazer nada a respeito do discurso antes de começar. Mas pode fazer uma grande diferença em seus níveis de confiança se você tirar um tempinho para se preparar. E, claro, o discurso e a entrega do mesmo, provavelmente será bem melhor, também.

Então, prepare-se e você se sentirá mais confortável e confiante. Apenas não cometa o erro de ficar preso na fase de preparação e usá-la como uma forma de evitar tomar uma atitude e na possível dor que ela pode resultar.

  1. Entenda que falhar ou estar errado não vai matá-lo.

“A confiança não vem de sempre estar certo, mas da falta do medo de estar errado.”

Peter T. Mcintyre

“Eu desisti de ter medo quando meu primeiro empreendimento falhou e o céu não desabou.”

Allen H. Neuharth

Novamente, você precisa encarar seu medo. Porque é apenas assim que você vai descobrir aquilo que milhares de pessoas através da história descobriram antes de você. O fracasso não vai matá-lo. Nem estar errado. O céu não vai desabar. Isso é apenas o que pensam as pessoas que ainda não encararam seus medos.

O negócio é reformular o fracasso de ser algo que faz com que suas pernas tremam para algo útil e importante para o crescimento de sua autoconfiança e seu crescimento global como um ser humano. Aqui estão quatro formas que o fracasso pode ajudá-lo:

  • Você aprende. Em vez de ver o fracasso como algo horrível, você pode começar a vê-lo mais como uma experiência de aprendizado. Ao ficar no meio de um fracasso, você pode se fazer perguntas como: O que tem de incrível nessa situação? O que eu posso aprender dessa situação?
  • Você ganha experiências que você não conseguiria de outra forma. Idealmente, você provavelmente deseja aprender a partir dos erros e fracassos alheios. Mas isso nem sempre é possível de fazer. Às vezes, você apenas precisa falhar por conta própria para aprender uma lição e para ganhar uma experiência que ninguém possa se relacionar a você em meras palavras.
  • Você se torna mais forte. Toda vez que você fracassa, você se torna mais acostumado com isso. Cada vez mais você nota que não é o fim do mundo. E, novamente, você se torna dessensibilizado. Você consegue lidar com coisas que seriam muito difíceis de lidar alguns anos atrás. Fracassar também pode ter um componente emocionante, pois mesmo apesar de ter falhado, pelo menos você tentou. Você não ficou apenas sentado sem fazer nada. E para isso, foi necessário coragem e determinação.
  • Suas chances de ser bem-sucedido aumentam. Toda vez que você falha, você aprende e aumenta sua força interior. Então, todo fracasso pode tornar seu sucesso mais provável.

E, lembre-se, o mundo não gira ao seu redor. Você pode gostar de pensar assim. Mas não gira. As pessoas realmente não se importam tanto assim com você. Elas têm a própria vida, problemas e preocupações para se focarem. Elas não pensam tanto em você ou estão constantemente monitorando o que você faz de errado ou quando você fracassa.

Talvez esse seja um pensamento decepcionante. Mas libertador e um alívio também, porque agora você pode deixar a preocupação de que todo mundo está observando você ir embora.

  1. Descubra quem você é e o que você quer da sua vida.

“O mundo tem o hábito de fazer espaço para o homem cujas palavras e ações mostram que ele sabe onde ele está indo.

Napoleon Hill

“Não dê ouvidos a quem diz que você não pode fazer isso ou aquilo. Isso não faz sentido. Faça a sua mente, você nunca vai usar muletas ou um pedaço de pau, depois, faça um pouco de tudo. Vá para a escola, participe de todos os jogos que você puder. Vá a qualquer lugar que quiser. Mas nunca, nunca deixe que eles o convençam de que as coisas são muito difíceis ou impossíveis.”

Douglas Bader

Para construir e encontrar mais confiança em si mesmo, você precisa se conhecer melhor. Vá explorar. Encare alguns dos seus medos. Fracasse várias vezes e entenda que isso não é nada demais. Fortaleça-se através de tais experiências e também fique mais relaxado internamente. Descubra o que realmente te excita ao simplesmente tentar um monte de coisas.

Quando você sabe mais sobre quem você é e o que você quer da vida — não o que as outras pessoas dizem que você quer — você terá mais confiança em si mesmo e no que você pode fazer.

O que as outras pessoas dizem ou pensam terá um impacto menor do que costumava, porque você sabe que você é melhor do que elas. E quando você tiver tido todas essas experiências, desde que você tenha tirado um tempo para realmente se conhecer e se alongar, você vai confiar em sua própria opinião e capacidade mais do que qualquer outra coisa. Você se torna estável e focado em si mesmo.

Isso, é claro, levará tempo. Pode ser algo que nunca terá fim. Então, é melhor começar agora.

Leave a Reply

AutoEstima em 30 Dias