Como Domar seu Crítico Interior: 7 Passos para Silenciar a Negatividade

Muitas pessoas que sofrem de baixa auto estima, não sabem como sair desse círculo negativo.

Não sabem que frequentemente o verdadeiro responsável pela nossa baixa auto-estima, é aquele voz crítica dentro de nós, que nos diz o quanto somos inúteis, quantas vezes erramos e se merecemos alguma coisa ou não.

Nesse artigo Amy Morin, psicóloga americana com muitos anos de experiência, te indica 7 estratégias para calar aquele maldito crítico dentro de nós.

Leia atentamente esse artigo e o coloque em prática essas 7 estratégias, para reencontrar a tua verdadeira beleza e aumentar sua auto-estima.

 

7 Passos para Silenciar o seu Crítico Interior.

As conversas particulares que tem com você mesmo podem ser um poderoso trampolim ou um tremendo obstáculo para alcançar seus objetivos.

Se, ao entrar num coquetel, o seu monólogo interior repete coisas como:

Eu vou passar vergonha, ou:

Ninguém vai falar comigo,você provavelmente não vai parecer descontraído e acessível.

Ou se, no meio de uma entrevista, você está pensando: Eu nunca vou conseguir esse emprego, vai passar trabalho para demonstrar autoconfiança. Muitas vezes, essas predições negativas podem rapidamente se transformar em uma profecia autorrealizável.

Seus pensamentos têm grande influência sobre como você se sente e se comporta, o que pode fazer com que o diálogo interno negativo se torne completamente autodestrutivo. Dizer para si mesmo que nunca será bem-sucedido ou que você não é tão bom quanto outros reduz seus sentimentos de autoestima e impede que enfrente os seus medos.

Se costuma ser excessivamente crítico de si mesmo, você não é o único. A maioria das pessoas sofre de insegurança e severa autocrítica. Felizmente, porém, você não precisa ser uma vítima de seu próprio abuso verbal. Em vez disso, tome medidas para abordar de maneira proativa seus pensamentos negativos e desenvolver um diálogo mais produtivo com você mesmo. Seguem-se sete maneiras de domar seu crítico interior:

  1. Tenha consciência de seus pensamentos. Ficamos tão acostumados a ouvir nossas próprias narrações que é fácil ignorar por completo as mensagens que estamos enviando a nós mesmos. Preste atenção ao que você está pensando e reconheça que só porque você acha algo, não significa que seja verdade. Nossos pensamentos são muitas vezes exagerados, tendenciosos e desproporcionais.
  2. Pare de ruminar. Quando você comete um erro ou teve um dia ruim, pode se sentir tentado a repassar os eventos vez após vez em sua mente. Mas lembrar-se repetidamente daquela coisa embaraçosa que fez ou daquela coisa questionável que disse só vai fazer você se sentir pior e não vai resolver o problema. Quando perceber que está remoendo ao invés de ativamente resolver problemas não perca tempo dizendo a si mesmo: Não pense nisso.Quanto mais se tenta evitar pensar em algo, maiores são as chances de que a pessoa se concentre nisso. Em vez disso, distraia-se com uma atividade como dar uma caminhada, organizar sua mesa ou conversar sobre um assunto completamente diferente e contenha os pensamentos críticos antes que fujam ao seu controle.
  3. Pergunte a si mesmo que conselho daria a um amigo. Se um amigo expressasse sentimentos de insegurança, você não diria (assim espero): Você nunca faz nada direito, ou: Você é tão burro! Ninguém gosta de você.No entanto, muitas vezes não hesitamos em dizer coisas assim para nós mesmos. Ao contrário, é mais provável que você oferecesse a um amigo palavras compreensivas de incentivo, como: Você cometeu um erro, mas não é o fim do mundo, ou: É muito pouco provável que você seja mesmo demitido por seu desempenho de hoje.Trate a si mesmo com a mesma bondade que demonstraria a um amigo e aplique essas palavras de incentivo na sua vida.
  4. Examine as evidências. Aprenda a reconhecer quando seus pensamentos críticos são exageradamente negativos. Se você pensa: Eu nunca vou ser capaz de me demitir e administrar meu próprio negócio, examine as evidências que apoiam e refutam essa predição. Às vezes, é útil anotá-las. Faça uma linha vertical numa folha de papel. De um lado, aliste de todas as evidências que apoiam o seu pensamento. Do outro, anote todas as evidências em contrário. Ver as evidências a favor do argumento e contra ele pode ajudar você a encarar a situação de forma mais racional e menos emocional.
  5. Substitua pensamentos excessivamente críticos com declarações mais precisas. Converta um pensamento excessivamente pessimista em uma declaração mais racional e realista. Quando perceber que está pensando: Eu não faço nada direito, substitua isso com uma declaração equilibrada, como: Às vezes, eu faço as coisas muito bem; outras vezes, não.Cada vez que perceber que está tendo um pensamento exageradamente negativo, reaja com a afirmação mais precisa.
  6. Considere como seria ruim se os seus pensamentos fossem verdadeiros. Às vezes é tentador imaginar que um pequeno contratempo vai se transformar em uma completa catástrofe. Mas, frequentemente, a pior das hipóteses na verdade não é tão ruim quanto imaginamos. Por exemplo, se você prevê que você vai passar vergonha ao fazer uma apresentação, pergunte a si mesmo quão ruim isso realmente seria. Se você de fato passasse vergonha, seria capaz de se recuperar, ou acha que seria o fim da sua carreira? Lembrar-se de que você é capaz de lidar com situações difíceis ou problemas aumenta a sua autoconfiança e diminui a constante enxurrada de pensamentos preocupantes.
  7. Equilibre aceitação e autoaperfeiçoamento. Há uma diferença entre sempre dizer a si mesmo que você não é bom o bastante e dizer a si mesmo que pode se esforçar para melhorar. Aceite suas falhas pelo que são no presente, mas não deixe de trabalhar naquelas que deseja corrigir. Embora pareça contraintuitivo, é possível fazer as duas coisas ao mesmo tempo.Você pode aceitar o fato de que sofre de ansiedade em situações sociais, ao mesmo tempo em que decide aprender se sentir mais confortável ao falar em público. Aceitar suas fraquezas pelo que são no presente não significa que você tem que continuar sendo assim. Reconheça que você tem falhas, mas esteja determinado a continuar sendo uma obra em andamento à medida que se esforça para melhorar.

O poder de seu diálogo interno

Seu diálogo interno poderá alimentar o seu sucesso ou impedir você de alcançar seu pleno potencial. Ao passo que seu crítico interior pode ajudá-lo a reconhecer áreas em que deseja melhorar, a autocrítica negativa e excessivamente dura fará com que seu desempenho sofra e reduzirá suas chances de alcançar seus objetivos.

Treine-se para domar seu crítico interior e silenciar a negatividade, de modo que possa conduzir sua vida de forma produtiva e útil.

Artigo Original:

http://www.amymorinlcsw.com/2014/11/07/taming-your-inner-critic-7-steps-to-silencing-the-negativity/
AutoEstima em 30 Dias